Inscrições abertas para oficina sobre a vida de Maneco Dionísio

Preparadas para quem deseja conhecer, pesquisar, estudar e debater a história de Avaré, as oficinas de História, novo programa da Secretaria Municipal da Cultura, serão ministradas nos próximos dias 25 e 26, no Museu Municipal Anita Ferreira De Maria.

Com duas horas de duração e vagas limitadas, esta oficina terá como pauta “Maneco Dionísio – o paladino do Rio Novo”, a fim de expor detalhes sobre a trajetória do educador, jornalista e político, um dos pioneiros de Avaré. Fará a exposição do assunto o pesquisador e cronista Gesiel Júnior, autor do livro “Maneco Dionísio – Biografia de Manoel Marcellino de Souza Franco (1851-1930)”.

A oficina está programada em dias e horários diferentes: na segunda-feira, 25, será das 14h às 16h; e na terça-feira, 26, das 19h30 às 21h30, para facilitar a participação do público. Ao todo, são doze vagas para cada turno e as inscrições, gratuitas, podem ser feitas na Secretaria da Cultura, pelo telefone 3732.5057 ou diretamente no Museu, aberto de segunda a sexta-feira, das 8h ao meio-dia e das 13h às 17h.

“As oficinas de História foram pensadas para oferecer aos avareenses e a todos que apreciam o assunto a oportunidade de conhecerem as origens da cidade e seus personagens de maneira livre e participativa”, explica o professor Theodoro Neto, diretor do Museu.

Maneco Dionísio

Manuel Marcelino de Sousa Franco, conhecido como Maneco Dionísio (Limeira, 2 de junho de 1851 — Avaré, 23 de maio de 1930), foi um político, jornalista, pioneiro, pesquisador, memorialista e religioso. Estabeleceu-se em Avaré, então denominada Rio Novo, em 1864.

Filho de Dionísio José Franco que chegou com a comitiva do major Vitoriano de Sousa Rocha, o fundador de Avaré. Em 1864, com a mulher Gertrudes de Freitas, (Dona Tudinha) e os filhos José, Manuel, João e Sebastião instala-se na rua Sete de Setembro (atual rua São Paulo) no centro do povoado, quando existiam apenas dez casas habitadas.

Mestre-escola, ele inicia a sua extraordinária carreira ainda adolescente. Em 1867, integra a Junta Administrativa do Patrimônio de Nossa Senhora das Dores do Rio Novo. Em 1875 com muita luta conseguiu a instalação da Vila e assume a função de primeiro diretor da Câmara de Vereadores.

Funda o primeiro jornal em 1888 – O RioNovense – em cujas páginas defende a mudança do traçado da estrada de ferro, que originalmente foi projetada para passar longe do Rio Novo (antigo nome de Avaré). Convence as autoridades provinciais a alterar o projeto e assim Avaré cresce com a chegada (31 de março de 1895) da ferrovia.

Como católico fervoroso e monarquista convicto funda e dirige a primeira instituição cultural de Avaré, o Gabinete de Leitura. Em 1891 foi expulso da cidade pelos republicanos. Entretanto em sua volta teve recepção triunfal e merecida.

Pesquisando sobre as origens de Avaré e de Itaí, publica livro sobre o carvão de pedra, onde fala sobre a existência de jazidas carboníferas na região. Seu nome figura entre os dos fundadores do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo. Culto e estudioso trabalha como tabelião e advogado, mas é eleito por vários anos seguidos provedor das Irmandades de Nossa Senhora das Dores e de São Benedito.

Fundador da primeira Conferência Vicentina de Avaré em 1897, Maneco, três anos depois, viaja pela Europa e, em Roma, é recebido pelo Papa Leão XIII.

Agricultor, em 1904 é convidado a dirigir o Banco de Custeio Rural de Avaré. Colabora na fundação do Hospital São Vicente de Paulo, para onde pede e recebe o apoio das Irmãzinhas da Imaculada Conceição. Nessa época encontra-se com a fundadora da congregação, Madre Paulina, a primeira Santa do Brasil.

Maneco Dionísio morre em Avaré, aos 79 anos, no dia 23 de maio de 1930.

 

Faça um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.