Entenda o julgamento do ex-presidente Lula

Primeiro ex-presidente no Brasil condenado por um crime comum, Luiz Inácio Lula da Silva será julgado amanhã, quarta-feira (24), pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), na segunda instância da legislação brasileira.

O TRF-4 cuida dos processos dos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, e tem a sua sede em Porto Alegre (RS). O processo em que Lula fora condenado na primeira instância, na 13ª Vara Federal de Curitiba, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro por supostamente ter recebido da empreiteira OAS um tríplex em Guarujá, no litoral de São Paulo, está na 8ª Turma do Tribunal e será julgada amanhã por três desembargadores.

O processo tem além de Lula outros cinco réus como o presidente da empreiteira OAS, Leo Pinheiro; o diretor internacional da companhia, Agenor Magalhães e Paulo Okamotto que mesmo absolvido entrou com recurso.

Como será o julgamento

O presidente da 8ª Turma, desembargador Leandro Paulsen abrirá a sessão às 8h30, o desembargador e relator do processo, João Pedro Gebram Neto, fará a leitura de seu relatório. Depois o procurador do Ministério Público Federal, Mauricio Gerum, terá 30 minutos para se manifestar.

Os advogados dos réus terão 15 minutos para falar em nome de seus clientes e finalmente os desembargadores farão a leitura de seus votos: primeiro o relator, depois o revisor e por último o decano, desembargador Victor dos Santos Laus.

Adiamento

Qualquer um dos magistrados pode pedir a suspensão do julgamento, geralmente isso ocorre com o argumento de que o juiz tem dúvidas sobre seu voto e precisa de mais tempo para estudar o caso.

Se isso acontecer, não há data para a retomada do julgamento.

Eleições 2018

Se condenado na segunda instância, Lula ficará com a “ficha suja” e dificilmente terá condições de concorrer às eleições presidenciais de 2018.

Fim do Processo?

O processo ainda continuará em andamento, pois ainda há outras possibilidades de recursos como: embargos de declaração e embargos infringentes.

Prisão

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região e o Ministério Público Federal já anunciaram que só haverá prisão quando todas as possibilidades de recurso se esgotarem no tribunal.

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.