Avaré celebra em 2018 o ano do Escultor Fausto Mazzola

Por unanimidade a Câmara de Vereadores aprovou em sua última sessão, projeto de lei do prefeito Joselyr Benedito Costa Silvestre, que institui no município o “Ano do Escultor Fausto Mazzola” para comemorar os 100 anos do nascimento do célebre artista plástico, autor dos principais monumentos públicos de Avaré, entre esculturas, bustos e efígies.

 

A iniciativa partiu da Secretaria Municipal da Cultura, que assumirá a coordenação das atividades comemorativas. “Vamos homenagear o professor Mazzola, cuja obra artística remodelou o paisagismo urbano e encheu Avaré de muita arte. Ele foi um grande escultor e merece ter a sua obra conhecida, sobretudo, pelos nossos estudantes”, declarou o secretário da Cultura Diego Beraldo.

 

Uma comissão será composta por meio de decreto do Executivo e integrada por representantes das Secretarias da Cultura, da Educação e do Turismo, bem como por instituições escolares interessadas, como a Escola Técnica Estadual (Etec) “Professor Fausto Mazzola”, para organizar o cronograma de atividades desse ano comemorativo.

 

Em especial, o “Ano do Escultor Fausto Mazzola” terá ênfase no mês de setembro, quando o mesmo será tema do desfile festivo do aniversário da cidade, uma vez que a data do centenário do homenageado transcorre no dia 30 de setembro de 2018.

 

O artista

Paulistano, Fausto Mazzola trabalhou em Avaré entre os anos de 1958 e 1962, quando foi diretor do Colégio Artesanal Jânio Quadros (atual Escola Estadual Paulo de Araújo Novaes). Estudou Escultura na Escola de Belas Artes de São Paulo e também lá frequentou o Liceu de Artes e Ofícios, quando ajudou na ornamentação da Catedral da Sé.

 

Produziu bustos, medalhões e esculturas para mais de 30 cidades e por isso recebeu prêmios importantes.

São de sua autoria, em Avaré, os monumentos Cristo em Ascensão (Largo Santa Cruz), Relógio de Sol (Praça Juca Novaes), O Desbravador (Praça Prefeito Romeu Bretas) e o monumento ao Pracinha e a Fonte das Artes, ambos no Largo São João. Também esculpiu os bustos do coronel João Cruz, do monsenhor Celso Ferreira e do governador Abreu Sodré, as efígies do cartorário Juca Novaes, do prefeito Fernando Cruz Pimentel e do industrial Werner Jost, além de ter feito os desenhos modelados em pedras portuguesas nos pisos do Largo São Benedito e da Concha Acústica.

O artista plástico nada cobrou pela execução de suas obras, todas concretizadas em volumes e formas que marcam o cenário urbano. Foi contemplado, em 1959, com o título de Cidadão Avareense. Mazzola faleceu em Campinas no dia 21 de abril de 2004.

Faça um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.